Os 100 Grandes Erros da História

de

18,50€ 16,65€*

Um erro de cálculo pode estragar um refogado. Mas também pode arruinar um império. Errar é humano, todos o sabemos, mas a má decisão de um líder ou de um governante pode mudar para sempre o rumo da História. 

Factos surpreendentes que mudaram o rumo da História num livro apaixonante. 


PORTES: GRÁTIS DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 10% * DESCONTO VÁLIDO PARA O DIA 23/07/2019 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789897240232 Edição ou reimpressão: Julho de 2012 Páginas: 404 Dimensões: 23.50 x 16.00 x 2.50 cm Peso: 522 Categoria: Temática:

Os 100 Grandes Erros da História demonstra-nos que grande parte da História aconteceu devido aos erros que grandes líderes e outras pessoas cometeram ao longo dos tempos. Neste livro são examinados cem exemplos de más decisões, equívocos e meros acasos que mudaram o rumo da História, da antiguidade até aos nossos dias. 

As pessoas cometem erros, uns mais graves que outros; e tratando-se dos líderes de outrora, ou de protagonistas de circunstância, muitos houve que se enganaram nas suas decisões. Felizmente, nem todos os equívocos foram desastrosos. Por exemplo, um descuido de Alexander Fleming levou-o a descobrir a penicilina, um antibiótico que tem salvado milhões de pessoas.

Quer se trate de um erro cometido no campo de batalha ou durante um jogo de cartas, Os 100 Grandes Erros da História analisa alguns dos mais importantes equívocos do passado, ajudando-nos a perceber melhor o nosso mundo e a própria natureza humana.

Aqueles que não estudam a História… estão condenados a repetir os erros do passado.

Profundamente afetados pela Peste Negra, os camponeses europeus assumem que os gatos são os portadores da epidemia e, em desespero, começam a exterminá-los. Esta decisão faz aumentar vertiginosamente o número de ratos, os verdadeiros responsáveis pela disseminação da doença.

Cristóvão Colombo cometeu um erro de cálculo que pode ter sido o mais feliz de todos os acasos. Deu à monarquia espanhola dois séculos de riquezas e de poder arrancados ao mundo novo que ele descobrira e abriu dois continentes à Europa.

Um acaso do destino levou Pedro Álvares Cabral a descobrir o Brasil. Para Portugal, o vento invulgar que afastou o navegador da rota prevista foi a melhor coisa que lhe aconteceu. 

A crise financeira de 2008 era evitável? O desastre apanhou muitos de surpresa, crentes de que o sistema financeiro estava tão protegido que nunca mais haveria uma depressão como a de 1929. Mas, como ficou demonstrado, a proteção erguida nos anos trinta e quarenta fracassou. Na realidade, não falhou. Em nome da modernização e da ambição desregrada, havia-se optado por esquecer as lições do passado sobre proteção e solidez.

Da descoberta do Novo Mundo à criação da penicilina, a História está cheia de atos fortuitos e de decisões insensatas. Esta obra de leitura cativante passa em revista cem desses casos. Como quando o Japão bombardeou Pearl Harbor, ou Roma entregou o comando do seu exército aos bárbaros. Temos ainda o caso dos astecas que receberam de braços abertos os colonizadores espanhóis, pensando que eram deuses. E o resto é História…