Estado de Guerra

de

19,50€ 17,55€*

Firme e implacável, Clara Ferreira Alves faz neste livro uma síntese perfeita do estado a que chegámos. A autora da crónica Pluma Caprichosa (Expresso) e comentadora no programa Eixo do Mal (SIC Notícias) apresenta em Estado de Guerra um retrato duro e objetivo do que se passa em Portugal e em boa parte do mundo.


PORTES: GRÁTIS DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 10% * DESCONTO VÁLIDO PARA O DIA 17/10/2019 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789897240416 Edição ou reimpressão: Novembro de 2012 Páginas: 528 Dimensões: 23.50 x 16.00 x 2.00 cm Peso: 155 Categoria: Temática:

Excertos

Nós, e quando digo nós digo o jornalismo na sua decadência e euforia suicidária, criámos estas criaturas. Os Relvas, os Seguros, os Passos Coelhos, os amigos deles. O jornalismo, aterrorizado com a ideia de que a cultura é pesada e de que o mundo tem de ser leve, nivelou a inteligência e a memória pelo mais baixo denominador comum, na esteira das televisões generalistas.

Como toda a gente sabe, eu vendo opiniões. Uma coluna pode contar uma história, ou fazer literatura, ou matraquear uma crítica ou sugestionar um leitor. Certo, mas, de vez em quando, lá vem a opinião. A pedofilia, o governo, a guerra, o Médio Oriente, a esquerda, a direita, o partido, o espatifado, o frango, a tragédia. E o colunista, devidamente sentado na cadeira autoral, tem-nas. Se tem, e se foram boas, alguém dirá dele, ou dela, que tinha uma «lucidez implacável». E isto, caros amigos, é do melhorzinho que se pode dizer de um sujeito, ou sujeita, que vende opiniões.

Todas as vidas viram coisas inacreditáveis. Se não fôssemos humanos com memória tudo se perderia. Como lágrimas à chuva.



«As biografias e memórias que deixa a escrita da História em dia.» João Céu e Silva, Diário de Notícias

«Aquela voz que não se cala, não se silencia, que nasce de uma consciência cívica com raízes de liberdade.» Alexandra Carita, Expresso

«Entre a crónica e o ensaio, contemplando ainda o jornalismo literário ou o registo ficcional, mantendo-se sempre fiel a acontecimentos reais e ecoando uma sede de liberdade inalienável.» Máxima