Kanikosen - O Navio dos Homens

de

14,95€ 13,46€*

Kanikosen – O Navio dos Homens foi escrito em 1929 e o seu autor, considerado o mais revolucionário dos escritores japoneses, assassinado em 1933. A escrita dura e crua de Kobayashi e a analogia da história com a situação actual transformaram este livro num «bestseller inesperado» (New York Times).


PORTES: GRÁTIS DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 10% * DESCONTO VÁLIDO PARA O DIA 07/12/2019 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789898452023 Edição ou reimpressão: Outubro de 2010 Páginas: 164 Dimensões: 23.50 x 16.00 x 1.00 cm Peso: 324 Categoria: Temática:

Com vendas superiores a 1.600.000, só no Japão, Kanikosen foi eleito em 2008 o «bestseller surpresa do ano». Sobre ele se disse que é «uma obra-prima» (Le Monde des Livres) e se escreveu, entre tantas outras coisas, que é «a versão japonesa de As Vinhas da Ira» (Matthew Ward, Seekjapan).

Kanikosen - O Navio dos Homens relata a história de um grupo de pescadores a bordo de um navio pesqueiro, durante a faina no mar de Kamchatka, em condições inimagináveis, insuportáveis e profundamente desumanas. As suas páginas falam de sofrimento, de vidas pejadas de dor e humilhação, de actos impiedosos. Desde a sua publicação, em 1929, Kanikosen – O Navio dos Homens converteu-se num clássico do protesto social.

Em 2008, porém, transformou-se em mais do que isso, transformou-se num símbolo de luta para as gerações mais novas que, de resto, se identificam com as dificuldades daquele grupo de homens. Oitenta anos depois de ser escrito, Kanikosen – O Navio dos Homens fala ao leitor contemporâneo com uma força e pertinência tão inesperadas quanto arrebatadoras.



«Um romance sobre a revolta da tripulação de um pesqueiro, que se transformou num repentino sucesso entre os jovens japoneses.» The Guardian

«Bestseller inesperado que retrata a crescente ansiedade dos trabalhadores perante a precariedade laboral.» The New York Times

«Depois de décadas de esquecimento, o romance de Kobayashi volta a estar na moda.» The Independent

«Nesta obra, o mais surpreendente é a sua relevância, a sua modernidade.» La Vanguardia