Corações Irritáveis

de

14,00€ 8,40€*

Em Corações Irritáveis, o jornalista João Paulo Guerra infiltra-se nos bastidores da mais recente guerra da história militar portuguesa, decorridos que estão mais de 50 anos desde o início da Guerra do Ultramar. Eis um romance sobre os mistérios da Guerra Colonial e uma viagem a um tempo que não tem fim. 


PORTES: Sujeito a portes DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 40% * DESCONTO VÁLIDO DE 30/07/2020 ATÉ 24/08/2020 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789897242748 Edição ou reimpressão: Fevereiro de 2016 Páginas: 224 Dimensões: 23.50 x 15.50 x 1.50 cm Peso: 350 Categoria: Temática:

Foi Henrique que fez a guerra ou foi a guerra que o fez a ele? Adélia levanta a dúvida. Certo é que décadas após terminarem as guerras coloniais, Henrique, como muitos dos outros 800 mil homens que combateram, ainda não assinou o cessar-fogo consigo próprio nem conseguiu apagar as tatuagens da memória. E é assim que para eles – e são milhares – a guerra ainda não acabou. 

Quando Henrique fez a guerra colonial, o Ultramar não se discutia. A guerra envolveu muitos segredos e ainda hoje há mistérios por explicar. E quando Adélia começou a perscrutar os segredos de Henrique, no mundo caótico dos papéis  que ele escrevia, riscava, rasgava e reescrevia, em busca de uma verdade, era tarde para salvar o seu homem e ela própria já mergulhara nos infernos que há para além do inferno.

– Que fizemos de nós, Henrique? Que fizemos nós?



«Esta ficção de João Paulo Guerra (J.P.G.) atinge patamar raro de qualidade e de propósitos na sua reflexão transversal. Sempre sob o signo da guerra colonial, que o autor conhece bem e bem escalpelizou. Trata-se de aturado trabalho de pesquisa, com escrita apurada, densa, belíssima, que prodigaliza a viagem pelos mistérios de liças estancadas em 1974 mas que para muitos dos envolvidos e suas famílias não consegue ganhar fim.» António Loja Neves, Expresso

«João Paulo Guerra traz-nos uma história que é a de muitos portugueses perdidos no seu passado e no seu presente. Nunca se livraram dos ecos da guerra colonial. E essa memória ficou ali, sempre, à espera de um epílogo.» Fernando Sobral, Jornal de Negócios