A Livraria

de

14,00€ 8,40€*

Uma obra-prima acerca do mundo dos livros, dos sonhos e das vicissitudes da vida, sob a forma de uma história envolvente e original. 


PORTES: Sujeito a portes DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 40% * DESCONTO VÁLIDO DE 18/06/2020 ATÉ 07/07/2020 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789897243295 Edição ou reimpressão: Outubro de 2016 Páginas: 192 Dimensões: 23.50 x 15.50 x 1.30 cm Peso: 685 Categoria: Temática:

Inglaterra, 1959. Florence Green vive na pequena vila costeira de Hardborough, longe de tudo, e que se caracteriza precisamente por aquilo que não tem. Florence decide então, contra tudo e todos, abrir a primeira e única livraria da terra.

Florence compra um edifício abandonada há anos, gasto pela humidade e com o seu próprio fantasma. Como se não bastasse o mau estado da casa, ela terá de enfrentar as pessoas da vila que, de um modo cortês, mas inabalável, lhe demonstram a sua insatisfação com a existência da primeira livraria local. Só a sua ajudante, uma menina de dez anos, não deseja sabotar o seu negócio.

Quando alguém sugere que coloque à venda a primeira edição de Lolita de Nabokov, a vila sofre um «terramoto» subtil, mas devastador. E finalmente, Florence começa a suspeitar da verdade: uma terra sem uma livraria é, muito possivelmente, uma terra que não merece qualquer livraria.



«De todos os romancistas da língua inglesa do século XX, Penelope Fitzgerald é indiscutivelmente a maior… Consistente e convincente.» Spectactor

«Uma narrativa maravilhosa e penetrante.» Times Literary Supplement

«Um livro original que se lê com muito prazer.» Financial Times

«Simultaneamente sábio e triste. Um livro vivamente recomendado.» Library Journal

« A Livraria é um romance sábio, tocado aqui e ali por alguma melancolia de um tempo passado, e escrito de maneira tão consistente e vívida, que a mais pequena das cenas se enche de impressões como se fosse insuflada de cores. No final da leitura, o leitor anseia por mais romances desta grande romancista inglesa.» José Riço Direitinho, Público