Imaculada

de

16,00€ 9,60€*

Paula Lobato de Faria estreia-se na literatura com Imaculada, um romance de época ambientado nos anos 50. 


PORTES: Sujeito a portes DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 40% * DESCONTO VÁLIDO DE 05/12/2019 ATÉ 02/01/2020 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789897243493 Edição ou reimpressão: Abril de 2017 Páginas: 312 Dimensões: 23.50 x 15.50 x 1.40 cm Peso: 602 Categoria: Temática:

Este romance é passado em Portugal, no ano de 1956, época em que coexistiam dois mundos: o da bonomia, onde o tempo corria devagar nos lares do país, numa ingenuidade generalizada (por vezes falsa, por vezes genuína) sob o lema «Deus, Pátria e Família»; e o da ditadura de Salazar, da censura e da PIDE, onde os que tinham por objetivo derrubar o regime podiam ser presos, torturados e mortos. (…) Na história contada neste livro, os universos paralelos vão-se encontrar, confrontar e interagir, no seio de uma família burguesa e conservadora do interior (do país). As palavras são de Paula Lobato Faria, que se inspirou em memórias antigas e em histórias de família para fazer nascer o seu primeiro romance.

Imaculada é o romance de estreia de Paula Lobato de Faria e a grande aposta literária desta editora neste trimestre. Paula Lobato de Faria, doutorada em Direito e professora da Universidade Nova de Lisboa, tem várias publicações internacionais nas áreas do direito da saúde, bioética e direitos humanos, mas este é o seu primeiro livro de ficção.  

Habilmente ambientado no Portugal profundo dos anos 50, Imaculada é uma obra na linha dos nossos melhores romances de época e um retrato crítico da condição humana. Através da história de uma família, os Correia, a autora desenha o retrato de um país amordaçado, cheio de tabus, vazios e sombras, um Portugal que pouco ousa desafiar convenções ou confrontar um destino que parece traçado.

O mesmo sucede na vida de Cristiana, menina da província, filha única de Alexandrina e João Manuel, que recusa assistir perplexa aos caprichos que a sorte (e a família) lhe prepararam. Na vida dela, tal como na do país, há sonhos por cumprir, esperança e uma dignidade que é vital.