Encontros Marcados

de

13,95€ 8,37€*

Da primeira viagem sem os pais, numa saída dos escuteiros, à tomada de decisão quanto ao rumo a seguir terminado o curso de Gestão, Gonçalo Cadilhe recupera neste livro memórias antigas, conversas que o transformaram enquanto ser humano, episódios nunca antes narrados, objectos que fazem parte do seu passado enquanto escritor e enquanto viajante. 


PORTES: Sujeito a portes DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 40% * DESCONTO VÁLIDO DE 16/10/2019 ATÉ 05/11/2019 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789898452511 Edição ou reimpressão: Junho de 2011 Páginas: 156 Dimensões: 23.50 x 16.00 x 1.10 cm Peso: 456 Categoria: Temática:

Quando se junta na mesma pessoa o viajante, o escritor e o supersticioso, daqueles que acredita no destino mas só depois de ele ter acontecido - qual é o resultado? Gonçalo Cadilhe revela agora alguns dos momentos marcantes que o ajudaram a definir a sua carreira de viajante, a sua vida de espírito livre e o mundo em que se move.

São os encontros marcados pelo destino e com os quais o autor nos surpreende numa colecção de textos luminosos, sobre tudo o que nos pode acontecer a viajar pelo mundo; ou em casa a ler sobre esse mundo; ou na vida, quando crescemos, e só mais tarde, ao olhar para trás, percebemos a marca que deixou.

Pelo meio, mais de duas dezenas de fotografias ilustram os momentos relatados. Malaca, Xi’an, Huahine, Banguecoque são aqui revisitadas assim como o são a Figueira da Foz, Coimbra e Cantanhede. Encontros Marcados não é, porém, apenas mais um livro de viagens, é o desvendar da força do destino por detrás da longa jornada que é a vida.

«O livro que segue tem implícito um dos maiores mistérios da Humanidade: o da nossa própria vida se tivéssemos sido outra pessoa. Ao olharmos para o que somos, não podemos acreditar que esta era a única possibilidade que tínhamos. Desde os traumas da primeira infância, que nem recordamos, mas que nos fazem ter claustrofobia, agorafobia, pavor dos ratos ou, no meu caso, nojo da cebola crua; às desilusões de amor ou às vitórias desportivas da escola primária; passando pela letra de uma canção; as sugestões de um livro; ou uma máxima que recebemos de um professor universitário; entre tantos, tantos outros exemplos, tudo terá deixado a sua impressão sentimental no conjunto homeopático que nos constitui.» Gonçalo Cadilhe, in Nota Introdutória