Minha Querida Inês

de

15,90€ 14,31€*

O relato apaixonante dos últimos dias da maior heroína romântica da História de Portugal, Inês de Castro. A estreia da escritora Margarida Rebelo Pinto no romance histórico. 


PORTES: GRÁTIS DISPONIBILIDADE: Esgotado DESCONTO IMEDIATO DE 10% * DESCONTO VÁLIDO PARA O DIA 18/01/2019 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789898452757 Edição ou reimpressão: Novembro de 2011 Páginas: 216 Dimensões: 23.50 x 16.00 x 1.30 cm Peso: 548 Categoria: Temática:

Minha Querida Inês é fruto de vários anos de investigação histórica misturada com a paixão da autora por mulheres fortes, sem perder o tom intimista e inconfundível a que nos habituou e cuja presença tem sido uma constante na sua obra.

É o maior desafio literário a que já me propus, refere a autora, por ser diferente de tudo o que escrevi até agora, mas acredito que os meus leitores, que também cresceram comigo, vão gostar muito de descobrir que Inês de Castro não era nem uma vítima passiva nas mãos do Rei e dos seus conselheiros que decretaram a sua morte, nem uma bruxa malvada que queria roubar o reino de Portugal. Eu escrevo com os nervos à flor da pele e espero que os meus leitores sonhem, vibrem e sofram com a minha heroína, tal como aconteceu com personagens de romances anteriores. Ela era uma mulher igual a nós, a viver no século XIV, num tempo dominado pelas trevas e pelo medo, que não teve medo de amar nem de lutar pelo seu amor. A minha Inês é uma mulher corajosa e apaixonada que fala sem pudor da sua vida íntima e da sua visão do amor, da família, de Deus e do mundo. 

Inês morre por amor. Se foi “a ruça que queria roubar o reino”, ou apenas vítima de uma intriga política, nunca o saberemos. A Inês que aqui vos deixo é uma mulher inteira, de carne e osso, com cabeça, coração e estômago, que sente e que pensa à frente da sua época e, por isso mesmo, sábia e intemporal, salienta Margarida Rebelo Pinto.

Minha Querida Inês está dividido em 7 capítulos, a que correspondem os primeiros 7 dias de 1355 e os últimos 7 dias de vida de Inês de Castro, a maior heroína romântica da História de Portugal. 

«Nunca ouve um amor assim.»