No Calor dos Trópicos

de

16,50€ 8,25€*

No luxuriante cenário do Brasil imperial, um cônsul português desafia as convenções e o destino. Eis a história que nasceu para ser filmada. 


PORTES: Sujeito a portes DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 50% * DESCONTO VÁLIDO DE 01/03/2019 ATÉ 27/03/2019 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789898452993 Edição ou reimpressão: Fevereiro de 2012 Páginas: 356 Dimensões: 23.50 x 16.00 x 1.00 cm Peso: 236 Categoria: Temática:

O romance histórico No Calor dos Trópicos nasceu a partir de um convite feito ao autor, Flávio Capuleto, para escrever sobre a escravatura no Brasil. Na altura, a intenção era adaptar esses textos ao grande ecrã. De princípio, não levei as coisas a sério; depois, apaixonei-me pelo assunto e entreguei-me à recolha de documentos históricos e pesquisas nas mais variadas fontes, assume o autor. Daí ao nascimento da história, pondo de parte o guião, foi um instante.

D. Leonor omitiu do magnata o mais importante: a sua paixão por Afonso e as relações de intimidade que esperava manter com ele em terras brasileiras. Depois da discussão travada com o marido, a fidalga sentia-se vitoriosa e tinha motivos para isso: conseguira livrar o amante de uma eventual acusação de um crime de adultério, liberta-se a ela própria da humilhação do delito em que se via envolvida, e conseguira convencer o esposo a partir com ela para a terra mágica que a esperava no cabo do mundo.

Com a queda abrupta da produção de café no nordeste brasileiro os fazendeiros deparavam-se com a inevitável derrocada financeira e, em Portugal, agravava-se o problema da falta de remessas. Apostado em dar a volta à situação, o rei D. Luís decide enviar o Dr. Bragança para terras brasileiras dando assim ao cônsul português a oportunidade de escapar a uma eventual pena de prisão por crime de adultério e a hipótese de alterar o rumo das relações entre Portugal e o Brasil. Mas como se o destino reservasse uma armadilha ao novo diplomata, a amante viaja para Petrópolis na companhia do marido continuando ali a sua relação escaldante com o cônsul. Alertado para a traição contínua de sua esposa, D. João Frutuoso, o magnata mais poderoso do Reino, banqueiro da Casa Real e da Coroa Brasileira, prepara uma emboscada ao diplomata, não só para o afastar dos braços de Leonor, mas também para poder exercer livremente o seu poder sobre os negros da roça e a sua vocação esclavagista. Porém, um golpe inesperado dita a sorte dos amantes envolvidos nas malhas do destino…