Santo António, de Lisboa e Pádua

de ; Fotografia:

17,50€ 15,75€*

Com texto de António Mega Ferreira e fotografia de Marc Sarkis Gulbenkian, esta obra revisita os lugares e as etapas da vida de Santo António, em Portugal e em Itália. 


PORTES: GRÁTIS DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 10% * DESCONTO VÁLIDO PARA O DIA 23/08/2019 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789897244803 Edição ou reimpressão: Junho de 2019 Páginas: 136 Dimensões: 25.00 x 19.00 x 1.10 cm Peso: 596 Categoria: Temática:

«Santo António, de Lisboa e Pádua não é uma biografia, no sentido técnico do termo, nem uma devassa erudita sobre o seu pensamento, antes um ensaio literário de indagação das razões e caminhos por que António se constituiu como uma das figuras portuguesas de maior relevância na Europa do seu tempo. E também uma tentativa de aproximação à sua essência propriamente humana, ao seu trajeto pessoal. É obra de afeto e curiosidade, não de ciência ou teologia.» António Mega Ferreira

Combinando textos e fotos, esta obra revisita os lugares e as etapas da vida de Santo António, em Portugal e em Itália. Nele encontramos as raízes históricas e humanas da devoção ímpar de Il Santo, além daquele que foi o seu percurso mundano, itinerário fascinante para crentes e não crentes.  

Batizado com o nome Fernando de Bulhões, nasceu em Lisboa, entre 1191 e 1195, na Rua das Pedras Negras, junto à Sé de Lisboa. Na casa onde nasceu e viveu está hoje a Igreja de Santo António. Educado no seio de uma família nobre, na adolescência pede autorização para ingressar na Ordem dos Agostinhos, na Igreja de São Vicente de Fora, partindo mais tarde para Coimbra, para estudar teologia. A busca pela introspeção e a simplicidade conduzem-no até à recém-criada Ordem Franciscana e a deixar de lado, não só o hábito de agostinho, mas também o seu nome. Fernando adota o nome de António, em homenagem ao eremita Santo Antão, e dedica-se a pregar as escrituras.

Santo António morreu a 13 de junho de 1231, em Arcella, em Itália, estando sepultado em Pádua. O papa Gregório IX canonizou Santo António a 30 de maio de 1232, antes de se cumprir o primeiro aniversário da sua morte. Embora a devoção por Santo António seja partilhada em diversas regiões de Portugal e pelo mundo fora, é indiscutível que o culto é particularmente intenso em Lisboa, cidade que, por aqui ter nascido, desempenha o papel de alma mater do seu apostolado.