OLHAI OS LÍRIOS DO CAMPO

de

15,00€ 13,50€*

Verdadeira revelação no campo literário e humano, este romance convida à reflexão sobre os valores autênticos da vida e a beleza das coisas simples. 


PORTES: GRÁTIS DISPONIBILIDADE: Em Stock DESCONTO IMEDIATO DE 10% * DESCONTO VÁLIDO PARA O DIA 10/04/2020 Sobre preços e promoções consulte as nossas Condições Gerais de Venda.
ISBN: 9789897245176 Edição ou reimpressão: Fevereiro de 2020 Páginas: 376 Dimensões: 23.50 x 15.50 x 0.00 cm Peso: 300 Categoria: Temática:

Olhai os Lírios do Campo  é uma revelação no campo literário e humano que continua a fazer desta obra um êxito de todos os tempos. No prefácio, Alice Vieira destaca a valorização do pormenor, a importância dada às coisas aparentemente simples ou banais, o acordar da madrugada com os primeiros ruídos da casa, as tardes douradas pelo sol, o brilhar dos açudes no bosque de eucaliptos….

No livro, Eugênio Fontes recebe uma chamada do hospital que o alerta para o estado de saúde grave de Olívia. Na viagem até ao hospital evoca o seu passado: a infância infeliz e pobre, os traumas vividos na escola e em casa, o desejo de se tornar um homem rico…

É graças aos sacrifícios dos pais que acede a uma educação de excelência e entra na Faculdade de Medicina, onde conhece o amor da sua vida, Olívia. Incapaz de assumir a relação com a colega de turma, Eugênio casa com a filha de um grande empresário, passa a viver de aparências, adultérios e eternas contradições. Mas será que o passado ficará para sempre lá atrás?



«Sei que é por sua causa que hoje escrevo.» Alice Vieira

«Ainda bem que uma amiga me presenteou com uma bolsa cheia de livros antigos que ela não tem mais onde colocar. Escolhi vários e ao me deparar com a 70ª edição do livro Olhai os Lírios do Campo iniciei-me na beleza da obra deste escritor.» Bety Orsini, O Globo

«Se a história deu prazer a tanta gente (a julgar pelos milhares de cartas que até hoje venho recebendo e por manifestações pessoais de viva voz da parte de incontáveis leitores), não vejo razão para impedir que continue a sua carreira.» Erico Veríssimo, 1966